quarta-feira, janeiro 18, 2006

To be or not to be: Dúvida cruel


Em um mundo que cada vez mais se submete à ditadura da imagem, SER deixou de ter importância. O que vale é o TER. Conteúdo não é nada, imagem é tudo (numa paródia a propaganda da Sprite que soube bem captar esse sentimento de vazio produzido pela necessidade de se seguir modelos impossíveis de perfeição de imagem).
Essa obsessão por um corpo perfeito, um cabelo ideal, uma família tradicional (se estivéssemos em São Paulo – uma estirpe quatrocentona), o carro do ano, a casa dos sonhos está acabando com qualquer liberdade de expressão. Não apenas de estilo, mas de pensamento. As prisões cada vez mais se fecham em torno do senso comum. Vamos todos ser polianas, pois olhando o mundo com lente cor de rosa não há a necessidade de se pensar sobre o que realmente vai de errado na nossa volta, nas nossas prioridades, na nossa vida.
O que o mundo profissional, especificamente, espera de nós profissionais da comunicação? Que as faculdades funcionem que nem "olheiros", catando loiras, altas e magras que saibam pelo menos falar o português, não precisam ter conexões cerebrais e, de preferência, que não questionem o meio em que estão entrando. Em que tudo seja glamour e um show de felicidade. Em que a afetação se sobreponha ao talento e que o drama ganhe se comparado à dedicação.
Enfim, Ford ficaria realizado em ver que o seu modelo de "apertar parafusos" ganhou escala e se disseminou no meio jornalístico.
Afinal de contas, o que vale mesmo é o jornalismo mentira.

3 comentários:

Sombria disse...

antes fosse "só" o jornalismo mentira... o problema é que a realidade é cada vez mais formada de aparências, em todas as suas esferas. As escolas fingem que ensinam, os alunos fazem de conta que aprendem e todos saem correndo para o mercado de trabalho... sem pensar muito, porque dói. Viva a alienação! It´s evolution, baby!

Tita Aragón disse...

O pior de tudo isso... é que eu concordo!

Ana Paula disse...

tu sabe que eu concordo, né? e tu sabe que me da nojo esse mundo plastificado e pattyficado, né? como diz a sombria, e acho que o pearl jam, É A EVOLUÇÃO, baby.

monossílabo pra isso: BLÉ.