quarta-feira, dezembro 10, 2008

Çangue bão

Ingressar no serviço público - ainda que cargo de confiança não signifique permanência - é burrocrático demais pra minha etérea paciência. Só de fotocópia de documentação já foi uma semana de salário: RG, CPF, Título de eleitor+comprovantes, atestado de bons antecedentes, pra garantir que meus crimes não venham prejudicar a imagem da instituição, diploma, exames de saúde+hemograma+colesterol+glicose+tipo sangüíneo... e é exatamente aqui que começa a nossa história de hoje.

Nossa heroína, Bruxa Malvada, passou por todos os trâmites para a investidura de seu cargo, mas, ao preencher a ficha cadastral para a confeccção da matrícula e do crachá, a moça do RH indicou a ausência da comprovação da tipagem sangüínea, em meio ao maço de papel do laboratório. Umas 15 páginas com toda a transcrição do que se passava dentro dos vasos e artérias de Bruxa.

- Ué, mas eu tinha certeza de que estava aqui... é O positivo - informa Bruxa.
- Mas tem que trazer a comprovação pra não sair errado no crachá.
- Sim, eu sei, mas pode marcar O positivo que eu te trago a comprovação. Deve ter ficado em casa.
- Ah, mas eu não posso marcar sem a comprovação. Imagina se ('deusulivre') você sai daqui e é atroplelada ali na esquina? Se estiver errado no crachá, pode dar um baita problemão...
- É verdade, mas como sou doadora, inclusive de medula, sei há anos que meu tipo de sangue é O positivo.

Enfim, Bruxa voltou pra casa, achou o comprovante e enviou por fax, tendo o cuidado de fazer outra cópia para entregar em mãos no RH: sangue O positivo, com o carimbo do Hemocentro e tudo.

Um mês depois (sim, eu falei que era burrocrático) vem o famoso crachá que garantiria à Bruxa um atendimento sem erros no caso de atropleamento nas imediações do trabalho.
Lá estava, no verso do documento: Tipo sangüíneo: A positivo.
Depois as pessoas morrem de vogal errada e ninguém descobre o porquê.
De hoje em diante olharei para os cinco lados quando for atravessar a rua.
Fui.

3 comentários:

Trevas disse...

O que adianta ser doadora, criatura, se tu nem sabe o teu tipo sanguíneo!!!!hahahaahahahaha
Torce pra eles não errarem na hora do salário também.
Bjs

Larissa Bohnenberger disse...

Pelo menos daria uma incrição de lápide bonita: Aqui jaz Bruxa Malvada, competente jornalista que, por ironia do destino, morreu de vogal errada". Que lindo isso!!!

Bruxa Malvada disse...

Ahãm! Hahahaha!