quinta-feira, dezembro 29, 2005

eu ODEIO grades

do lugar onde sento, só vejo grades a minha volta.
ao caminhar nas ruas, elas me cercam por qualquer viela.
ao chegar em casa, elas impedem minha entrada.
apesar da relativa distância que mantenho, elas parecem me sufocar com seus arremates pontudos.
a sensação de prisão, de falta de liberdade, não vem apenas daquelas barras de ferro dispostas agressivamente de forma vertical. apesar que aquelas feitas com desenhos em formas que lembram flores me darem um certo arrepio, uma sensação de que a natureza realmente está morta.
o sufoco vem de um alugar mais abstrato, de um sentimento, de um grilhão que invisivelmente está atado no pé. ou melhor nos dois, impedindo que eu aja, me mova, tome uma atitude de verdade.
como disse uma vez uma amiga, com suas sábias tiradas, sussurro para gritar. pois o grito de alforria está entalado na garganta, me cortando por dentro. mas continua lá, para me lembrar todos os dias das grades que me cercam nesse mundo.
antes de morrer queria ver um mundo sem grades. para não fugir ao tema maior desse blog!

2 comentários:

Cavernosa disse...

Pior que viver em um mundo "engradado", é estar dentro de uma gaiola cercada de cameras escondidas e ouvidos fantasmas. Antes de ser os restos defecais da galinha, sou um humilde passarinho sin alas para volar. Até quando?

Vandinha disse...

Big Brother, babies!